DRP: saiba o que é o planejamento de distribuição e suas vantagens!

Para que o negócio funcione de forma saudável, é importante estar atento a pontos relevantes, como otimização dos processos, vendas, organização do estoque, entre outros aspectos que fazem parte da rotina corporativa. Nesse cenário, o ideal é contar com um Planejamento das Necessidades de Distribuição (DRP).

Trata-se de um método usado nas indústrias, centros de distribuição e varejo, buscando melhor atender às necessidades dos clientes. O grande objetivo consiste em evitar a falta de produtos nos estoques e impedir que eles fiquem parados nos depósitos e prateleiras.

Quer entender melhor os benefícios do DRP e como aplicá-lo na empresa? Então continue conosco na leitura do post!

Quais são as principais vantagens do DRP?

Por meio do DRP (do inglês “Distribution Requirements Planning“, ou Planejamento das Necessidades de Distribuição) é possível antecipar a demanda, tornando a entrega de mercadorias mais efetiva e identificando itens requisitados, quantidades e destinos. Confira a seguir.

Ganho de equilíbrio no estoque

Aplicando o DRP, fica mais fácil realizar um balanceamento assertivo do estoque. Assim, a reposição das mercadorias acontece em tempo hábil e na hora certa, o que diminui a falta de itens nos pontos de vendas e o excesso de produtos parados.

Essa metodologia, portanto, evita a ausência de mercadorias demandadas pelos clientes nas gôndolas e atrasos nas entregas. Afinal de contas, existe um registro integrado de informações relevantes a respeito dos processos operacionais da empresa, ajudando na estruturação dos envios entre os centros de distribuição para os locais de venda.

Redução dos custos

Quando se entende ao certo os desejos dos consumidores, os itens não correm o risco de ficar parados no estoque. Assim, impede-se prejuízos financeiros ou desperdícios, levando a uma minimização de custos considerável.

É interessante para o negócio buscar melhorias nos processos de distribuição, chegando a ações mais eficazes e econômicas. Isso resulta na necessidade de otimização dos níveis de estoque e também na redução da aplicação de recursos financeiros.

Mais eficiência operacional

O DRP ainda contribui para o aumento da eficiência operacional no estabelecimento. Todos os dados ficam armazenados em um único local, por meio de ferramentas capazes de realizar essa automatização. Diferentes níveis de gestão acessam as informações e tomam as decisões mais adequadas, com base em registros precisos.

Dessa forma, a elaboração de ações para evitar erros de processo e ruptura de estoque ganha agilidade, gerando um fluxo de trabalho mais organizado e com maiores chances de lucro e desenvolvimento do negócio.

Otimização das rotas

O método DRP auxilia no entendimento da relação entre os pontos de vendas e seus clientes.

A otimização da rota consegue evitar e resolver lacunas relativas à falta de produtos em determinadas regiões, enquanto em outros locais os itens estão em excesso. Dessa forma, é possível elaborar as melhores rotas para levar as mercadorias em prazos menores nos lugares que apresentam maiores demandas.

Minimização das perdas

É fato que produtos parados nos estoques geram custos elevados de armazenagem e aumentam as chances de perdas devido a vencimento, avarias e demais danos.

Por meio de um bom Planejamento das Necessidades de Distribuição, todos esses problemas podem ser evitados.

Aprimoramento da experiência do cliente

A ausência de itens nos pontos de venda pode causar uma má impressão nos consumidores. Isso ocorre pelo fato de que, quando o cliente entra no estabelecimento buscando por determinado item e não o encontra, acaba ficando frustrado.

Com o DRP, é possível realizar essa previsão e tomar as medidas adequadas para proporcionar uma boa experiência ao público.

Como o DRP funciona na prática?

Para implementar um planejamento de distribuição eficiente é preciso seguir três fases. Cada uma tem o intuito de reestruturar a execução das tarefas e, para isso, é necessário investir em ferramentas tecnológicas capazes de automatizar o gerenciamento de produtos e materiais. Entenda melhor como elas funcionam!

Primeira fase

Inicialmente, realiza-se um levantamento de itens disponíveis no centro de distribuição e nos pontos de venda. O ideal é contar com o auxílio de um sistema que faça a leitura das etiquetas dos produtos, repassando os dados para um dispositivo, computador, notebook etc.

Assim fica mais fácil ter em mãos informações que contribuem para a elaboração de estratégias, com a análise dos seguintes aspectos:

  • estoque disponível para venda;
  • previsão de demanda de produtos;
  • pedidos de entregas atuais e futuros;
  • quantia mínima de itens para compra, armazenagem e distribuição;
  • fluxo de entrega.

Segunda fase

Após a transmissão dos dados ao sistema, o DRP propõe um padrão que ajuda a definir os recursos necessários para desenvolver práticas logísticas completas. O gestor então consegue compreender os itens que apresentam maior saída, além de identificar as regiões onde a demanda é maior.

Trata-se de uma estratégia de antecipar a verdadeira necessidade de aplicação de recursos com estoque. Isso colabora no planejamento das atividades do setor de suprimentos para estipular o nível de compras de cada produto, influenciando na capacidade de transporte adequada para a distribuição, sobretudo nos períodos de mais vendas. Tudo isso abrange:

  • mercadorias necessárias, quantidade adequada, locais e períodos corretos;
  • estoque ideal;
  • planejamento do transporte;
  • nível de compras por item.

Terceira fase

Depois de finalizar a análise, o DRP mostra um comparativo entre o que os fornecedores disponibilizam, os recursos necessários e as possíveis demandas para o futuro.

Na sequência, então, o sistema indica as metodologias e medidas que podem ser inseridas para assegurar a obtenção ou a produção correta de itens, chegando ao equilíbrio entre oferta e demanda.

Desse jeito, é possível dizer que a medida cumpre papel primordial para garantir um controle adequado sobre a disponibilidade de mercadorias para os estabelecimentos que lidam de forma direta com o atendimento ao público.

O DRP é um recurso muito eficaz para o controle do estoque e venda de produtos, evitando que itens permaneçam em excesso ou até ausentes durante a procura do cliente, já que ambos geram prejuízo. Por isso, é importante contar com o auxílio dessa ferramenta, elaborando um bom planejamento para que todas as vantagens sejam usufruídas.

Achou o conteúdo interessante? Então aproveite para curtir nossa página no Facebook e ficar por dentro de outras publicações valiosas!

E-book - ERP: Crescimento exponencial para sua empresa - Baixe grátis

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

negociação comercial - duas pessoas com roupas formais dando aperto de mãointeligência comercial - equipe de vendas conversando ao redor de uma mesa de escritório