7 estratégias para otimizar o processo de produção na sua indústria

Para empresas que almejam ganhar destaque no mercado e atingir o sucesso em seus respectivos setores, otimizar o processo de produção é um desafio obrigatório durante a gestão empresarial. Isso porque a escala de fabricação das indústrias é ampla, fazendo com que os gastos para a execução de suas atividades também o sejam.

Gestores de vários segmentos estão sempre focados em aplicar melhorias para elevar os lucros e amenizar os custos de confecção dos produtos. Algumas condutas simples de investimento reduzido no tocante ao retorno produzido, podem ser bastante funcionais para o empreendimento.

Além disso, contar com o apoio da tecnologia em suas diversas vertentes pode ser decisivo para aprimorar operações, criar diferenciais e dinamizar as tarefas fabris.

Pensando nisso, selecionamos as melhores estratégias para você aperfeiçoar o processo de produção na sua indústria e torná-la ainda mais competitiva. Boa leitura!

1. Faça o mapeamento do processo de produção da indústria

Além de ser um ponto de partida para realizar otimizações na empresa, o mapeamento de processos é um recurso gerencial usado para simbolizar todos os passos de um método produtivo — representando as entradas, saídas e ações executadas, com clareza e objetividade.

Por meio da disposição por etapas produtivas mediante fluxogramas ou outras formas de apresentação, ele permite identificar e analisar falhas que, em geral, passam despercebidas na repetição das tarefas executadas e no cotidiano.

E então, está disposto a desenhar o mapa de processos da sua indústria? Aqui vão as instruções que você precisa seguir.
processo-de-producao

Identifique as atividades que fazem parte do processo de produção

Separe-as conforme os departamentos/setores de atuação, gestores envolvidos e critérios que as regem. Para isso, consulte profissionais chave, como colaboradores que têm pleno conhecimento do processo, técnicos e quem está há bastante tempo atuando na empresa.

Uma forma inteligente de captar essas informações é por meio de questionários de opinião, seguido de uma reunião para discutir os fatores mencionados.

Considere os objetivos

Após identificar os processos, é preciso classificá-los de acordo com sua importância e função. Em fábricas que não dispõem de métodos bem estruturados, é fácil encontrar áreas distintas executando as mesmas tarefas — o que aumenta o índice de retrabalhos e prejudica a eficiência da organização como um todo.

A próxima etapa, portanto, é avaliar quais são os propósitos de cada procedimento da sua produção. Sendo assim, considere os seguintes questionamentos:

  • “por que essa tarefa é importante para o meu negócio?”;
  • “qual o passo a passo dessa atividade?”.

Determine o nível de detalhamento das informações

Como os processos realizados e seus objetivos foram levantados, é necessário começar a desenhar o mapa. Para isso, escolha qual será o método de apresentação.

De início, é aconselhável optar pelo fluxograma, pois ele é bastante intuitivo e de fácil compreensão. Depois, crie o mapa de relacionamento organizacional para incluir toda a atividade global do empreendimento: desde a alta administração até a distribuição dos produtos para o mercado.

Em seguida, determine o grau de detalhamento das informações. Para todas elas, responda duas perguntas:

  • qual é o ponto de partida desta etapa?.
  • quais são os resultados ao fim do procedimento?.

Com as respostas em mãos, é hora de estruturar o mapeamento. Mas cuidado para não se confundir e enxergar todas as saídas como algo concreto e palpável, como um equipamento, peça ou produto. Na prática, os resultados podem ser de naturezas distintas, como aprovações, dados, gráficos ou processos decisórios.

Valide o mapeamento

Verifique se todos os insumos envolvidos foram catalogados e mapeados. Utilize a técnica SIPOC, que é uma sigla, do inglês:

  • Suppliers (fornecedores e/ou parceiros);
  • Inputs (entradas);
  • Process (processos);
  • Outputs (saídas);
  • Customers (clientes e consumidores).

Após identificar todos esses cinco pontos, analise o mapeamento por completo, ponderando o vínculo de dependência entre os processos. Por fim, valide a confiabilidade das informações, observando se o mapa retrata fielmente as operações da sua empresa.

Avalie os processos e identifique falhas

Com o esboço do mapa em mãos, avalie tudo para ver o que está dando certo ou não. É um bom momento para detectar falhas no processo e estudar indicadores pertinentes.

Atrasos, gargalos (veremos mais sobre esse termo a seguir), inconformidades e todas as adversidades que comprometem o andamento do negócio devem ser considerados. Esses problemas podem estar vinculados à falta de recursos, desperdícios, funções repetitivas, insuficiências operacionais etc.

Os ofícios que agregam mais valor também precisam ser levantados. Deve-se, por exemplo, dar atenção redobrada às etapas em que se entra em contato direto com o público-alvo para que ele vivencie a melhor experiência possível.

Elabore propostas de modificação

Após identificar as falhas, pesquise quais são as possíveis causas dessa condição e tente corrigi-las. Para estruturar essa proposta de modificação, responda as seguintes perguntas:

  1. Há a possibilidade de eliminar atividades desnecessárias?
  2. O que é necessário fazer para evitar atrasos ou retrabalhos?
  3. Os profissionais compreendem claramente quais são suas obrigações dentro de cada procedimento?
  4. Quais desperdícios podem ser detectados na cadeia produtiva?
  5. É possível automatizar tarefas de rotina?
  6. Quais processos podem ser abreviados para tornar a operação mais ágil?
  7. As atividades seguem as boas práticas de fabricação?
  8. O acompanhamento/controle de processos é eficiente?
  9. O público-alvo está satisfeito?
  10. Quais queixas recorrentes (de funcionários ou clientes) afetam a imagem do negócio?

Gere o mapa e divulgue para toda a equipe

O mapa do processo de produção está pronto, e as otimizações necessárias já foram registradas, mas apenas documentar não basta. Ou seja, é preciso assegurar que tudo que foi estruturado seja seguido à risca por todos.

Portanto, divulgue o mapeamento atual — as mudanças propostas e os tipos de implementação das otimizações — para toda a indústria. Lembre-se de explicar os motivos para cada alteração e de gerar valor para todos os envolvidos, de modo que sua equipe assimile a ideia e se comprometa para obter melhores resultados.

2. Identifique e solucione gargalos na produção

Gargalo é quando uma determinada etapa encarece, retarda ou até paralisa as atividades. Esse empecilho é responsável por criar obstáculos diante de metas pré-definidas pela empresa, sendo que o maior desafio está em identificá-lo.

Veja abaixo como detectar e solucionar gargalos na produção.

Utilize o mapa de processos

Ao ler o mapa, qualquer passo que esteja distante do que foi proposto ficará evidente, garantindo que a correção necessária seja feita sem que isso comprometa o resultado final do processo. É crucial que o mapeamento seja intuitivo, dinâmico e de fácil visualização.

Busque a causa do problema

Muitos gestores ficam perdidos no momento de empregar correções, reparando apenas os resultados e desconsiderando as causas do evento. Isso aumenta a necessidade de diversos retrabalhos.

Após estabelecer qual é o caminho que uma etapa deve seguir ao encontrar um resultado negativo ou um erro, tente descobrir onde aquele problema surgiu e crie saídas para que ele não se repita.

Acompanhe as entradas e saídas

Ao conhecer os procedimentos e os recursos necessários, acompanhe as demandas para garantir que será possível atendê-las. Esse controle deve fazer parte do cotidiano da sua gestão de processos.

É necessário ter esse tipo de domínio, pois os gargalos de entrada e saída podem comprometer a qualidade do rendimento (processos) e da entrega de mercadorias, por exemplo. Se você atua em uma indústria de grande porte, catalogar todo esse fluxo pode ser trabalhoso. Por isso, o ideal é investir em um software de controle de estoque para automatizar essa tarefa.

Defina planos de ação

Ao constatar um problema, determine um plano de ação para repará-lo. Reúna todos os envolvidos, defina o objetivo e fragmente-o em ações menores para facilitar o processo de correção. Delegue tarefas nesse sentido.

O setor deve estar em alerta com a melhoria recomendada, portanto, engaje seu time de profissionais. Explique os motivos que levaram a essas medidas, orientando sobre como e em quanto tempo tudo deve ser consertado.

Estipule metas e trace passos que precisam ser seguidos dentro de um determinado prazo. Calcule os custos e deixe claro a função de cada um. Dessa forma, evita-se confusões e o processo não se perde, podendo ser acompanhado.

Use indicadores de desempenho

Uma vez que o plano foi definido, acompanhe a performance e mensure as atividades para obter informações valiosas embasadas em resultados. Assim, é possível compreender se os recursos estão sendo empregados com precisão ou se ainda existe alguma etapa que precisa ser corrigida.

Utilizar KPIs (indicadores de desempenho) para acompanhar o resultado do processo é crucial, pois eles revelam os pontos de melhoria e apontam alternativas estratégicas.

processo-de-producao

3. Faça a manutenção preventiva das ferramentas e máquinas

A manutenção preventiva aperfeiçoa a utilização de equipamentos e máquinas em vários aspectos. Isso porque ela evita falhas eletrônicas, mecânicas e técnicas, além de otimizar o consumo de energia e a performance das operações.

Entretanto, vale ressaltar que essa ação não elimina totalmente os problemas que possam vir a ocorrer, mas existirá uma diminuição significativa dos contratempos enfrentados no dia a dia.

Está a fim de adotar essa prática na sua empresa para evitar prejuízos com ferramentas e maquinários? Então, confira essas recomendações.

Levante todas as informações

Registre os dados e características dos equipamentos em uso na produção e que fazem parte do planejamento. Depois, classifique essas máquinas por nível de relevância para o processo de produção e, em seguida, determine prioridades de revisão a médio e longo prazo.

Faça controles periódicos

Manutenções programadas dão mais confiabilidade ao desempenho dos equipamentos, conservando sua durabilidade, visto que pontos de desgaste podem ser detectados com mais facilidade.

Além disso, essa conduta é mais inteligente e barata do que uma manutenção corretiva emergencial, em virtude de um problema grave.

Com o controle periódico, é possível reconhecer problemas em potencial o mais breve possível e impedir que esses agravamentos causem maior dano na estrutura geral das máquinas.

Registre dados sobre o funcionamento dos equipamentos

Ao catalogar cada ocorrência de uso ou mal funcionamento de algum equipamento, é possível gerar um verdadeiro banco de dados sobre o período de uso do aparelho e compreender quais aspectos são críticos.

Com essas informações devidamente organizadas, você consegue realizar o diagnóstico correto de cada máquina. Alguns fatores avaliados podem apontar a necessidade de uma manutenção preditiva (antecipa eventuais falhas que poderiam causar gastos maiores no futuro), programando-a para um momento oportuno.

Crie uma checklist de manutenção

Uma checklist bem-feita garante que todos os fatores a serem examinados durante as revisões sejam vistoriados, evitando negligências pontuais.

Uma boa lista exige experiência e, com o passar do tempo, você e sua equipe compreenderão com exatidão quais são os elementos que devem ou não fazer parte da checklist de revisão.

4. Utilize a Internet das Coisas

A Internet das Coisas (IoT) está diretamente ligada à quarta revolução industrial (indústria 4.0), que está sendo promovida por três grandes inovações no mundo fabril produtivo, são elas:

  • enorme volume de dados e informações virtuais;
  • evolução espantosa da capacidade dos computadores;
  • novos planos estratégicos de otimização que envolvem pessoas, pesquisas e tecnologias.

Essas transformações permitem que toda a planta produtiva (distribuidores, gestão de fornecedores, unidades fabris e mercadorias) esteja conectada digitalmente, promovendo uma cadeia de valor integrada.

Em meio a todo esse processo produtivo, onde entra a Internet das Coisas?

A IoT se encaixa justamente para integrar todos dispositivos e equipamentos da organização por meio da conexão.

Quando se diz que a internet está nas empresas, no chão de fábrica, compreende-se que todos os maquinários e setores trabalham online, oferecendo dados centralizados e em tempo real.

O uso dessa tecnologia traz as seguintes vantagens.

Eficiência operacional

Esse é o benefício mais comentado atualmente, e os primeiros implementadores da IoT estão focados nesse resultado.

Ao investir em automação, conectividade e táticas de produção mais dinâmicas, por exemplo, sua empresa consegue elevar a produtividade consideravelmente. Sem contar que a escalabilidade, economia de recursos e tempo, podem ajudar a maximizar os lucros do negócio.

Os principais fatores que aumentam a eficiência operacional são:

  • aperfeiçoamento da produção;
  • diminuição de paradas no processo;
  • redução no custo do ciclo ativo;
  • melhoria no uso de recursos;
  • melhor rendimento de máquinas e de pessoal.

Novos serviços e modelos de negócios

A IoT na indústria 4.0 viabiliza a criação de novos tipos de receitas graças à realização de operações conectadas. Os modelos de negócio híbridos, por exemplo, utilizam tanto as mercadorias quanto os serviços digitais, como suportes e dicas de uso de produtos via vídeos e e-books.

Esse tipo de serviço ainda consegue estreitar o relacionamento com o público, visto que oferece diversos pontos de contatos que geram dados valiosos para todas as partes envolvidas (marca, fornecedores e clientes). É estabelecida uma relação de confiança e fidelidade.

Maior conhecimento para as decisões

A análise dos registros industriais concede um grande volume de informações. Isso melhora a qualidade das decisões em razão de ter uma percepção mais realista da performance do empreendimento.

Para arrematar, a Internet das Coisas pode conectar todos os seus profissionais, dados e operações do chão de fábrica até a alta administração, contribuindo ainda mais com a gestão do negócio.

Vale frisar que mais do que otimizar o processo decisório, a indústria 4.0 vai além. Ela tende a promover que grande parte das decisões ocorram de forma ágil e automática.

5. Escolha utilizar soluções Cloud

De modo gradual, as fábricas estão sendo modificadas digitalmente — seja pela adoção de conceitos de IoT e automatização com o uso de robôs, seja pela utilização de sistemas de gestão.

Entretanto, sustentar toda essa evolução é bastante oneroso e exige um investimento contínuo por parte do empreendimento. O fato é que as indústrias atuais precisam cada vez mais de serviços de TI para sobreviverem à competitividade do mercado e continuar crescendo.

Por essa razão, o cloud computing (computação na nuvem) surge como uma solução indispensável. Isso porque ele permite que as empresas utilizem sistemas operacionais e ferramentas de gestão sem a necessidade de investir em setores de TI internos. Ou seja, as soluções em nuvem são bem mais acessíveis que manter um ambiente físico de tecnologia. Sem contar a possibilidade de administrar tudo em qualquer hora e lugar, graças à mobilidade dos aplicativos.

6. Invista em tecnologia

Como vimos até agora, independentemente do segmento de mercado, a tecnologia caracteriza uma grande transformação no processo de produção industrial, sendo a essência do crescimento e sucesso dos empreendimentos.

Conheça alguns retornos positivos que você pode conquistar ao investir em tecnologia na sua empresa.​

Organiza o andamento do negócio

Além da redução de gastos com escritório (papelaria), de modo automático e prático, os softwares permitem que você não precise de uma equipe extensa de colaboradores para executar tarefas de rotina. Seus próximos recrutamentos estarão concentrados na otimização e expansão contínua da empresa, sobretudo para novas áreas.

Causa boa impressão

As burocracias provenientes de produtos e serviços provocam irritabilidade em todo o sistema. É justamente nesse tipo de fragilidade que a concorrência tenta fazer a diferença.

A adoção da tecnologia agrega valores visuais, o que causa boa impressão para o público. A percepção de organização, confiança e, sobretudo, a reputação de uma marca inovadora pode ser a chave para o sucesso do seu negócio. Basta você, gestor, usar a empatia e colocar-se no lugar do seu público para compreender as demandas de cada um.

Fideliza bons negócios e boas relações

Junto a uma boa imagem, o consumidor fideliza os serviços e se sente disposto para indicar outros parceiros para o seu negócio. Ter clientes influenciadores é um dos maiores privilégios que uma empresa pode conquistar. Afinal de contas, a inovação traz consigo o imediatismo, que é uma característica muito valorizada pelo nicho de mercado atual.

Intensifica a segurança do negócio

Programas inovadores concedem tranquilidade e segurança para que os dados da empresa e dos clientes não sejam destruídos ou caiam em mãos erradas. Contar com esse respaldo é fundamental para colocar o comprometimento da sua marca em evidência no mercado.

processo-de-producao

7. Utilize um software de gestão para facilitar o processo de produção

O sistema ERP é uma ferramenta de gestão integrada ideal para que gestores e colaboradores tenham acesso a informações sobre o processo de produção. Além de conceder a possibilidade de conferir se as atividades estão no caminho certo e dentro do prazo determinado no cronograma.

Veja abaixo quais são as funcionalidades estratégicas que um software de gestão pode oferecer para o seu negócio.

Previsões de demandas

Com o apoio dessa tecnologia, você controla todos os registros operacionais, o que permite realizar previsões precisas de demandas. Assim, as mercadorias e serviços serão entregues dentro do prazo, sem retrabalhos e com a qualidade esperada. Sem contar que garante o monitoramento de cada etapa de fabricação, simplificando o acompanhamento das tarefas e a tomada de decisões.

Ao somar a Internet das Coisas com o ERP, sua indústria torna-se mais competitiva, pois:

  • extrai o máximo de sua performance operacional;
  • aprimora processos internos;
  • gera mão de obra qualificada;
  • concede mais agilidade às tarefas.

É personalizável

Um dos maiores benefícios do sistema ERP é o seu arranjo modular. Ele oferece diversas abas de gestão e cada uma contém várias funcionalidades que podem ser configuradas conforme as necessidades da organização. Cada aplicação é estruturada para funcionar individualmente ou se integrar com o conjunto.

Isso quer dizer que é possível criar uma interface compatível com as suas demandas. As implantações de ERP se adaptam plenamente ao conjunto ou podem ser utilizadas como um módulo autônomo. Flexibilidade operacional é tudo.

Traz mobilidade para os negócios

A realidade móvel presente em outros segmentos de software tem sido considerada pelas ferramentas de gestão. Elas agora oferecem apps nativos em dispositivos Android, iOs, Linux e Windows.

Esses sistemas apresentam painéis precisos que atualizam-se em tempo real com indicadores de produção relevantes, como:

  • aquisições de clientes;
  • receitas e despesas;
  • status da produção;
  • vendas;
  • tráfego na web.

Integração horizontal dentro da indústria

O ERP é imprescindível para elevar a eficiência das atividades, por meio da padronização de processos em todos os departamentos, ao uniformizar e integrar horizontalmente todas as tarefas. Esse diferencial torna as operações mais dinâmicas — o que permite enxergar o apontamento de produção, economizar tempo e obter ganhos financeiros provenientes de otimizações pontuais.

Com esse recurso, é possível diminuir o volume de retrabalhos, visto que muitos serviços são automatizados. Isso evita funções manuais de colaboradores dos mais diversos departamentos, ocasionalmente responsáveis por falhas operacionais e erro humano.

E então, o que achou das estratégias para otimizar o processo de produção na sua indústria? Se você aliar as recomendações de gestão com as inovações tecnológicas mencionadas ao longo deste post, certamente obterá uma eficiência operacional competitiva capaz de colocar sua marca em uma posição de destaque no mercado. Portanto, não perca tempo e corra atrás de eficiência e inovação.

Se você gostou deste conteúdo e quer manter-se bem informado a respeito das melhores práticas de gestão empresarial, não deixe de assinar nossa newsletter!

processo de produção

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

Fazemos parte do movimento #OpenWeStand

X